Ciborgue de Pele #4

Zine adquirido diretamente com a autora na banquinha do coletivo Maracujá Roxa durante a feira de zines TESOURA #1 na Casa NEM, Lapa, Rio de Janeiro. Juno trabalha com zines e colagens manuais desde 2012 expressando temáticas subjetivas e queer-feminista.

autoria

Juno Griz

Data

2016

Local

Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Tema

feminismo

Tipo

zine

Descritivo

Xerografia colorida e colagem manual / A5

Direito autoral

Todos os direitos reservados

Ciborgue de Pele | Body Storm #2

Zine adquirido diretamente com autore na banquinha do coletivo LOBAXS durante feira de zines na Casa Selvática, em Curitiba-PR. Juno trabalha com zines e colagens manuais desde 2012 expressando temáticas subjetivas e queer-feminista.

autoria

Juno Cicatriz Azul

Data

2014

Local

Curitiba, Paraná, Brasil

Tema

feminismo

Tipo

zine

Descritivo

Xerografia colorida e colagem manual / A5

Direito autoral

Todos os direitos reservados

Bolsa “Gender Outlaw”

Item doado pela Ong britânica “Gendered Intelligence” à Casa Nem durante a realização do Festival Transarte de 2019. “Gender Outlaw” é o livro escrito por Kate Bornstein.

autoria

Casa Nem

Data

2019

Local

Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Tema

gênero, LGBTQIA+, diversidade

Tipo

ecobag

Descritivo

Impressão com tinta branca sobre tecido preto

Direito autoral

Todos os direitos reservados

Ecobag “e as Travestis?”

Este item, criado durante uma aula de serigrafia em 2016, fez parte da coleção “Tijeras”, marca de roupas e acessórios produzidos para ajudar a custear o “Prepara Nem”.

autoria

Casa Nem

Data

2016

Local

Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Tema

LGBTQIA+, diversidade, gênero

Tipo

ecobag

Descritivo

Impressão sobre bolsa de algodão / 36 x 36 cm

Direito autoral

Todos os direitos reservados

Slam das Minas RJ

28 itens

Ocupando os espaços públicos do Rio de Janeiro desde 2017, o Slam das Minas é uma batalha lúdico-poética que surgiu a partir da busca de um espaço seguro e livre de opressões para o desenvolvimento da potência artística de mulheres (héteras, lésbicas, bis, ou trans), pessoas queer, agêneras, não bináries e homens trans.

A coletiva, formada por Andrea Bak, Moto Tai, Gênesis, Tom Grito e Rejane Barcelos, e produzida por Débora Ambrósia, apresenta uma proposta de intervenção artística, poética e cultural para transformar afetos nesses tempos difíceis.