Parem de nos matar

Este cartaz foi produzido pela artista e ativista Marcela Fauth para a marcha no Dia Internacional da Mulher de 2018, no Rio de Janeiro. Em sangue menstrual, o grito urgente denunciava o alarmante crescimento nas taxas de feminicídio naquele ano. A artista utiliza fluídos corporais em diversas obras, e sua prática artística toma forma no dia-a-dia, nas investigações das tarefas e dos processos de trabalho, nas simbologias presentes no desenvolvimento das ações e no seu próprio posicionamento perante o mundo, como mulher, trabalhadora e artista. Além de abordar questões relativas ao universo feminino e à expressão das angústias de gênero, a artista também busca problematizar temas como auto-imagem/auto-representação, alteridade, o corpo e seus desdobramentos no contexto sociocultural e político do mundo contemporâneo, tendo a performance como um dos principais suportes.

autoria

Marcela Fauth

Data

Março de 2018

Data de luta

8 de Março - Dia Internacional da Mulher

Local

Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Tema

feminismo, lesbo/trans/feminicídio

Tipo

cartaz

Descritivo

Sangue menstrual sobre cartolina aplicada em papel pluma / 42cm x 59cm

Direito autoral

Todos os direitos reservados

Bandeira “Nem uma a menos”

autoria

Vem pra Luta Amada

Data

2019

Local

Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Tema

violência, direitos, feminismo

Tipo

bandeira

Descritivo

Impressão serigráfica sobre tecido / 30 x 40 cm

Direito autoral

Imã “Respeita as minas, as manas e as monas”

Um dos ímãs produzidos pelo Slam das Minas-RJ em 2018 para a venda com versos de suas integrantes. Gênesis escreveu: “Respeita as minas, as manas e as monas ou eu boto minha boca no mundo, acabo com tua arrogância em três lances, ou melhor 180”.

autoria

Gênesis

Data

2018

Local

Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Tema

violência, sororidade, LGBTQIA+

Tipo

ímã

Descritivo

Impressão sobre papel magnético brilhante / 5 x 4 cm

Direito autoral

Todos os direitos reservados

Onda zine

Zine adquirido diretamente com Juno na banquinha da coletiva Maracujá Roxa durante feira de zines no espaço MOTIM, no centro do Rio de Janeiro. Juno trabalha com zines e colagens manuais desde 2012 expressando temáticas subjetivas e queer-feminista.

autoria

Juno Griz

Data

2016

Local

Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Tema

LGBTQIA+

Tipo

zine

Descritivo

Xerografia e colagem manual / A6

Direito autoral

Todos os direitos reservados

Nem uma a menos

Tela feita em 2019 em conexão com o movimento feminista argentino Ni Una Menos, que luta contra a violência de gênero. Naquele ano, o Brasil teve um aumento de 7,3% nos casos de feminicídio em comparação com 2018, registrando 1.314 mulheres mortas pelo fato de serem mulheres – uma a cada 7 horas, em média.

autoria

Vem pra Luta Amada

Data

2019

Local

Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Tema

violência, lesbo/trans/feminicídio

Tipo

tela de serigrafia

Descritivo

Tela de serigrafia recortada manualmente / 40 x 50 cm

Direito autoral

Deixa ela em paz

Zine adquirido em feira de zines na extinta casa de artes Rosie Marie Muraro, bairro glória Rio de Janeiro. Este zine foi distribuído em larga escala na cidade carioca em apoio às campanhas de fim a violência contras às mulheres.

autoria

Deixa ela em paz

Data

2016

Data de luta

25 de Novembro - Dia Latino Americano e Caribenho de Combate à Violência Contra a Mulher

Local

Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Tema

feminismo

Tipo

zine

Descritivo

Xerografia e colagem digital / A6

Direito autoral

Todos os direitos reservados

Bandeira-lenço pela legalização do aborto

A bandeira em formato de lenço é um ícone do movimento Nossa Hora de Legalizar o Aborto e foi produzida para o “2° Grande Ato Nossa Hora de Legalizar o Aborto”, realizado na Cinelândia, Rio de Janeiro, no dia 19 de julho de 2018.

autoria

Nossa Hora de Legalizar o Aborto

Data

Junho de 2018

Local

Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Tema

direitos reprodutivos

Tipo

bandeira

Descritivo

Impressão sobre tecido / 430 x 200 cm

Direito autoral

Corpo estranho #vivatheusinha

Patch produzido com jeans ressignificado pelo hub de projetos criativos MIG para “Noite Estranha: cuidado, convivência, agência”, um ato-intervenção concebido por Gabe Passareli, Marta Supernova, Clarissa Ribeiro e Lorran Dias, em diálogo com a vida, obra e poética de Matheusa Passareli, artiste negre e não-binárie assassinade aos 21 anos no Rio de Janeiro, em abril de 2018. Este evento aconteceu na Despina, Rio de Janeiro, e reuniu obras e intervenções de cerca de 50 agentes e artistas.

autoria

Mayra Sallie, MIG, Isa Maria Rodrigues, Luana Depp

Data

30 de Maio de 2018

Local

Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Tema

diversidade, gênero

Tipo

patch

Descritivo

bordado sobre tecido / 9 x 4,5cm

Direito autoral

Todos os direitos reservados

Arrastão feminista

Esta ação consiste em reunir um grupo de mulheres para sair de forma organizada às ruas e atuar em duas frentes: distribuição de panfletos e conversas com mulheres a fim de difundir informações sobre a luta pela legalização do aborto no país, e colação de lambes pela cidade.

autoria

Nossa Hora de Legalizar o Aborto

Data

Novembro de 2018

Data de luta

25 de Novembro - Dia Latino Americano e Caribenho de Combate à Violência Contra a Mulher

Local

Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Tema

direitos reprodutivos, feminismo

Tipo

ação

Descritivo

Ação de rua

Direito autoral

Peça para Dia Latino Americano e Caribenho de Combate à Violência Contra a Mulher (4)

Foram feitas quatro versões para este peça, cada uma abordando um tema. Esta se refere à vida das mulheres LBTIs.

autoria

Nossa Hora de Legalizar o Aborto

Data

25 de Novembro de 2019

Data de luta

25 de Novembro - Dia Latino Americano e Caribenho de Combate à Violência Contra a Mulher

Local

Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Tema

feminismo, gênero, violência

Tipo

peça digital

Descritivo

Peça digital retangular / 1000 x 650 px

Direito autoral

Todos os direitos reservados