Parem de nos matar

Este cartaz foi produzido pela artista e ativista Marcela Fauth para a marcha no Dia Internacional da Mulher de 2018, no Rio de Janeiro. Em sangue menstrual, o grito urgente denunciava o alarmante crescimento nas taxas de feminicídio naquele ano. A artista utiliza fluídos corporais em diversas obras, e sua prática artística toma forma no dia-a-dia, nas investigações das tarefas e dos processos de trabalho, nas simbologias presentes no desenvolvimento das ações e no seu próprio posicionamento perante o mundo, como mulher, trabalhadora e artista. Além de abordar questões relativas ao universo feminino e à expressão das angústias de gênero, a artista também busca problematizar temas como auto-imagem/auto-representação, alteridade, o corpo e seus desdobramentos no contexto sociocultural e político do mundo contemporâneo, tendo a performance como um dos principais suportes.

autoria

Marcela Fauth

Data

Março de 2018

Data de luta

8 de Março - Dia Internacional da Mulher

Local

Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Tema

feminismo, lesbo/trans/feminicídio

Tipo

cartaz

Descritivo

Sangue menstrual sobre cartolina aplicada em papel pluma / 42cm x 59cm

Direito autoral

Todos os direitos reservados

Deixa ela em paz

Zine adquirido em feira de zines na extinta casa de artes Rosie Marie Muraro, bairro glória Rio de Janeiro. Este zine foi distribuído em larga escala na cidade carioca em apoio às campanhas de fim a violência contras às mulheres.

autoria

Deixa ela em paz

Data

2016

Data de luta

25 de Novembro - Dia Latino Americano e Caribenho de Combate à Violência Contra a Mulher

Local

Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Tema

feminismo

Tipo

zine

Descritivo

Xerografia e colagem digital / A6

Direito autoral

Todos os direitos reservados

Peça digital com chamada para acompanhamento da CPI do Feminicídio (RJ)

Em 2019, o feminicídio foi um dos crimes que mais aumentou no Rio de Janeiro, em comparação com 2018. Os números cresceram em 14%, segundo o Instituto de Segurança Pública. A peça digital convoca para acompanhamento e pressão popular e feminista no dia da Votação na Alerj da CPI do Feminicídio, documento que conta com 126 recomendações que visam proteger as mulheres de eventuais episódios de violência. O projeto, de autoria da deputada Zeidan Lula (PT), foi aprovado em discussão única. A parlamentar analisou investigações da Polícia Civil para embasar o documento de 600 páginas. (Fonte: BandNews)

autoria

Nossa Hora de Legalizar o Aborto

Data

28 de Novembro de 2019

Local

Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Tema

assédio, gênero, violência

Tipo

peça digital

Descritivo

Peça digital / 965 x 541 px

Direito autoral